domingo, agosto 24, 2008

sexta-feira, agosto 22, 2008

RESULTADO DA AÇÃO HUMANA NO MEIO AMBIENTE 3

 


Filhote de baleia perdido é sacrificado na Austrália
Da BBC Brasil


Autoridades de proteção aos animais selvagens, na Austrália, deram uma injeção letal no filhote de baleia que, na segunda-feira, tinha se perdido da mãe ao confundi-la com um veleiro ancorado no litoral do país.

O animal foi sedado, e depois recebeu a dose letal de anestésico. Segundo veterinários, o filhote não conseguiria sobreviver sozinho e tentar alimentá-lo artificialmente seria muito estressante para o animal, que já estava muito debilitado.

A baleia filhote foi encontrada na última segunda-feira quando tentava mamar em um veleiro numa baía ao norte de Sydney.

Exames veterinários concluíram, na quinta-feira, que o filhote estava ferido, com mordidas de tubarão, e estava com dificuldades para respirar.

BBC Brasil

Fonte:http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3125385-EI238,00.html
Posted by Picasa

ANIMAL SOFRE

 


WWW.G1.COM.BR
O PORTAL DE NOTÍCIAS DA GLOBO

21/08/2008 - 15h36 - Atualizado em 21/08/2008 - 17h16

Bebê pingüim ganha companheiro de pelúcia para suportar saudade da mãe
Filhote de três semanas nasceu no zoológico de Cincinnati, nos Estados Unidos.
Veterinários o separaram da família para receber cuidados médicos.
Com apenas três semanas de vida, um filhote de pingüim precisou ser separado da família para receber cuidados médicos, no zoológico de Cincinnati, nos Estados Unidos. O procedimento é padrão e o pequeno (batizado de "Kyoto") não corre risco de morte. Ainda assim, para ele não se sentir sozinho, os veterinários arrumaram uma companhia: um pingüim de pelúcia.
Kyoto deve voltar ao convívio da família assim que suas penas nascerem.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL732150-5603,00.html
Posted by Picasa

RESULTADO DA AÇÃO HUMANA NO MEIO AMBIENTE 2

 


WWW.G1.COM.BR
O PORTAL DE NOTÍCIAS DA GLOBO

21/08/2008 - 22h31 - Atualizado em 21/08/2008 - 22h41

Filhote de baleia é sacrificado na Austrália
Animal ficou conhecido por ter tentado 'mamar' em veleiro.

Segundo veterinários, condições de saúde haviam piorado.

Técnicos australianos sacrificaram, na manhã desta sexta-feira (22, horário local), o filhote de baleia que se perdeu da mãe e a confundiu com um veleiro ancorado na costa de Sydney.

A decisão havia sido tomada na quinta (21), depois que veterinários e cientistas examinaram a baleia e determinaram que suas condições haviam piorado. Contudo, quando o plano ia ser posto em prática, os técnicos tiveram dificuldades para encontrar 'Colin' -- como foi apelidado o filhote na mídia australiana. A história ganhou grande
destaque desde que o animal foi encontrado, no domingo (17), tentando 'mamar' em um veleiro.

No início da manhã de sexta, a baleia foi localizada e os veterinários conseguiram sedar o animal antes que ele recebesse uma dose fatal de drogas.

"Nós temos uma baleia cujas condições se deterioraram rapidamente nas últimas 24 horas, que está sofrendo, e tivemos de tomar a difícil decisão de sacrificá-la", disse Sally Barnes, do Departamento de Meio Ambiente e Mudança Climática de New South Wales. "É uma decisão muito delicada".

Sally disse que os técnicos locais buscaram opiniões de outras autoridades australianas e mesmo de outros países sobre como lidar com a baleia perdida, mas as condições de saúde do animal pioraram a ponto de não haver mais tratamento.

Alguns australianos acusaram as autoridades de meio ambiente de não terem feito o suficiente pelo filhote e de não tentarem alimentá-lo.

Tentativas anteriores de levar a baleia para o alto mar não funcionaram -- o filhote preferia continuar a acompanhar as embarcações.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL732677-5603,00.html
Posted by Picasa

segunda-feira, agosto 18, 2008

RESULTADO DA AÇÃO HUMANA NO AMBIENTE



Filhote de baleia confunde iate com mãe (15.ago.2008)

Um filhote de baleia-jubarte aparentemente confundiu um iate com sua mãe na costa de Sydney, na Austrália. A baleia está nadando constantemente em volta do iate e estaria tentando mamar em seu casco.
Estima-se que o animal tenha um ou dois meses de idade e o serviço de proteção aos animais selvagens da Austrália diz que sua saúde está se deteriorando por falta de alimentação.

O iate foi afastado do porto e conduzido para uma baía com a esperança de que o filhote reencontre a mãe.

BBC Brasil


Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3108227-EI238,00.html
(www.terra.com.br)

ZONAS MORTAS NOS MARES (15.AGO.2008)

15/08/2008 - 11h42

Estudo revela aumento de zonas mortas nos mares do mundo

da Efe, em Washington

As zonas mortas nos oceanos do mundo, onde a ausência de oxigênio impede o desenvolvimento de vida marinha, aumentaram mais de um terço entre 1995 e 2007, revela um estudo divulgado hoje pela revista "Science".

Os principais fatores dessa catástrofe oceânica são a contaminação por fertilizantes e a queima de combustíveis fósseis, segundo cientistas do instituto de Ciências Marinhas da Universidade William and Mary, na Virgínia, e da Universidade de Gotemburgo, na Suécia.

O aumento das zonas mortas no mar transformou-se no principal agente de pressão sobre os ecossistemas marítimos, no mesmo nível da pesca excessiva, perda de habitat e outros problemas ambientais.

Segundo os cientistas, seu aumento se deve também a certos nutrientes, especialmente o nitrogênio e o fósforo, que ao entrarem em excesso nas águas litorâneas causam a morte de algas.

Ao morrer, essas plantas microscópicas se afundam e se transformam em alimento de bactérias que, durante a decomposição, consomem o oxigênio a sua volta.

Na linguagem científica, esse processo da diminuição progressiva de oxigênio se chama "hipoxia".

Segundo Robert Diaz, professor do Instituto de Ciências Marinhas, e Rutger Rosenberg, cientista da Universidade de Gotemburgo, atualmente existem 405 zonas mortas em águas próximas às costas em todo o mundo, o que representa uma superfície de mais de 26.500 quilômetros quadrados.

De acordo com o cientista, no início do século passado só havia quatro zonas mortas, número que passou para 49 em meados de década de 1960, 87 na de 1970 e para 162 na de 1980.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u433840.shtml
(Jornal Folha de São Paulo "on line")

quinta-feira, agosto 14, 2008

AMIZADE ANIMAL É PARA SEMPRE

video

Fonte: Internet.

Colaboração: João Batista de Carvalho Neto.

TENTATIVA E ERRO

video
Fonte: Internet.

Colaboração: Uéllen Lisoski Duarte.