domingo, fevereiro 04, 2007

A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

 

Paccelli José Maracci Zahler é engenheiro agrônomo e ecólogo.
Página pessoal: www.geocities.com/paccelli

A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Por Paccelli José Maracci Zahler.

O estudo interdisciplinar parece ser a abordagem mais apropriada para a ciência da Ecologia por permitir uma melhor compreensão dos sistemas (concepção sistêmica) pela identificação e interpretação dos seus elementos, possibilitando uma “visão holística” e, conseqüentemente, a proposição de soluções para os problemas ambientais da atualidade, devendo ser estendida à prática pedagógica em Educação Ambiental.

Para CASCINO (1999), a interdisciplinaridade está carregada de subjetividade e comporta trabalhar com o fragmentário, o incerto, o incompleto, o ambíguo, tratando de produzir sobre a efetividade do desejo consubstanciado na prática.

Segundo DUVOISIN (2006), a Educação Ambiental surgiu como uma necessidade de mudança na forma de encarar o ser humano no mundo. Para que essa mudança ocorra, de acordo com “A Declaração do Meio Ambiente” elaborada durante a Conferência de Tbilisi, República da Geórgia, em 1977, há necessidade urgente de investigação de novos métodos e desenvolvimento de materiais educativos (UNESCO/PNUMA, 1980). Este é um dos desafios apontados por SATO (2007) ao criticar o conteúdo tecnicista da Educação que influi na reorientação da Educação Ambiental, cuja prática profissional se torna eminentemente técnica.

Os “Parâmetros Curriculares Nacionais” elaborados pelo MEC/SEF (1997) apontam, como um dos objetivos gerais do ensino fundamental, que os alunos sejam capazes de perceberem-se integrantes, dependentes e agentes transformadores do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente. Portanto, há necessidade de capacitação dos professores para exercerem seu papel de educadores ambientais.

O educador ambiental, além da preocupação com a preservação e a conservação dos recursos naturais, deve conhecer a dinâmica da natureza, as necessidades das comunidades, e ter habilidade para trabalhar em equipe, buscando a solução dos problemas de forma participativa (ZAHLER, 2007).

Segundo ZAKRZEVSKI e SATO (2006), para o exercício da Educação Ambiental na escola, o professor precisa construir um novo conhecimento profissional que seja prático, integrador, profissionalizado, complexo, tentativo, evolutivo e processual. Isso se concretiza, quando o professor busca conhecer a realidade das escolas, as estratégias utilizadas e a comunidade.

A partir daí é interessante formar grupos de trabalho, com professores de diferentes disciplinas, para a discussão dos problemas levantados e a escolha do material didático ou, até mesmo, sua elaboração dentro da realidade da região, o que não acontece com os livros didáticos disponíveis no mercado.

O próximo passo é o desenvolvimento de projetos com os alunos e a comunidade dentro de uma perspectiva interdisciplinar, priorizando a solução de problemas locais, o que vai ao encontro do preconizado nos “Parâmetros Curriculares Nacionais”(MEC/SEF, 1997).

CARVALHO (2006) vai além ao afirmar que a Educação Ambiental deve ser sensível às lutas sócio-ambientais e pautada pela conquista da cidadania, representando um espaço promissor na busca de uma sociedade justa e ambientalmente sustentável, pois a compreensão da problemática do meio ambiente como um fenômeno sócio-ambiental lança a questão ambiental na esfera política.

HERCULANO (2006) considera que a Educação Ambiental é parte essencial da educação para a cidadania, podendo vir a ser grande incentivadora do exercício pleno dos direitos do cidadão e da democracia participativa, na medida em que a temática ambiental tenha um apelo universalizante, não corporativo, de fácil entendimento e identificação, pois diz respeito à sobrevivência de todos e leva a amplos questionamentos, especialmente os modos da sociedade produzir, consumir e se organizar politicamente.

Consideramos, particularmente, que a prática pedagógica interdisciplinar em Educação Ambiental deve conduzir o educando ao entendimento da crise ambiental pela qual o planeta está passando, preparando-o para tomar a melhor decisão para amenizá-la ou solucioná-la, partindo do seu próprio exemplo, de sua própria casa, comunidade, município, Estado, País, tendo em mente o brocardo “agir localmente, pensar globalmente”. Dessa maneira, ele passará a atuar na esfera política, exercendo a sua cidadania.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. A questão ambiental e a emergência de um campo de ação político-pedagógica. In: SENAC. Textos complementares do Bloco temático IV. E-Book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006.
CASCINO, Fábio. Educação ambiental: princípios, história e formação de professores. São Paulo:Editora SENAC/SP, 1999.
DUVOISIN, Ivane Almeida. A necessidade de uma visão sistêmica para a educação ambiental: conflitos entre o velho e o novo paradigmas. In: SENAC. Textos complementares do Bloco temático IV. E-book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006.
HERCULANO, Selene C. A consciência da solidariedade. In: SENAC. Textos complementares do Bloco temático IV. E-book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006.
MEC/SEF. Parâmetros curriculares nacionais:ciências naturais. Brasília:MEC/SEF, 1997.
SATO, Michèle. Desafios e perspectivas da educação ambiental. In: SENAC. Textos complementares do Bloco temático IV. E-book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006.
SENAC. Educar para sustentabilidade. Bloco temático IV. E-book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006.
UNESCO/PNUMA. La educación ambiental: las grandes orientaciones de la Conferéncia de Tbilisi. Paris: UNESCO, 1980.
ZAHLER, Paccelli José Maracci. O perfil do educador ambiental. Disponível em: http://www.grupocurrupiao.blogspot.com Acesso em: 04.fev.2007.
ZAKRZEVSKI, Sonia Beatris Balvedi & SATO, Michèle. Refletindo sobre a formação de professoras em Educação Ambiental. In: SENAC. Textos complementares do Bloco temático IV. E-book do Curso de Educação Ambiental, Brasília, Distrito Federal, 2006. Posted by Picasa

Um comentário:

Joao Soares disse...

Ola Valeria,Pacelli e demais
Sou biologo,pos graduado em Ecologia Aplicada e edito um blogue ambiental http://bioterra.blogspot.com .Já coloquei o vosso Grupo Currupião na minha lista de blogues ambientais
Apreciei muito de alguns livros do Pacelli .Assinei o seu livro de visitas e tem um livro seu no meu dossier http://bioterra.blogspot.com/2007/01/bjork-2001-pagan-poetry.html

AH...e teria muito gosto ver meu link nas vossas páginas.
Um abraço a todos